Google+ seguidores

Conceitos da Educação Especial



1. Alunos com necessidades educacionais especiais: Apresentam, durante o processo educacional, dificuldades
acentuadas de aprendizagem que podem ser: não vinculadas a uma causa orgânica específica ou relacionadas a
condições, disfunções, limitações ou deficiências, abrangendo dificuldades de comunicação e sinalização diferenciadas dos
demais alunos, bem como altas habilidades/superdotação.
2. Tipos de necessidades educacionais especiais:
Altas habilidades/superdotação:
Notável desempenho e elevada potencialidade em qualquer dos seguintes aspectos, isolados ou combinados:
Capacidade intelectual geral
Aptidão acadêmica específica
Pensamento criativo ou produtivo
Capacidade de liderança
Talento especial para artes
Capacidade psicomotora
Autismo:
Transtorno do desenvolvimento caracterizado, de maneira geral, por problemas nas áreas de comunicação e interação,
bem como por padrões restritos, repetitivos e estereotipados de comportamento, interesses e atividades.
Condutas típicas:
Manifestações de comportamento típicas de portadores de síndromes (exceto Síndrome de Down) e quadros psicológicos,
neurológicos ou psiquiátricos que ocasionam atrasos no desenvolvimento e prejuízos no relacionamento social, em grau
que requeira atendimento educacional especializado.
Deficiência auditiva:
Perda parcial ou total bilateral de 25 decibéis (dB) ou mais, resultante da média aritmética do audiograma, aferidas nas
freqüências de 500 Hertz (Hz), 1.000 Hz, 2.000 Hz, 3.000 Hz, 4.000Hz; variando de acordo com o nível ou acuidade
auditiva daseguinte forma:
- Surdez leve/moderada: perda auditiva de 25 a 70 dB. A pessoa, por meio de uso de Aparelho de Amplificação Sonora
Individual – AASI, torna-se capaz de processar informações lingüísticas pela audição; conseqüentemente, é capaz de
desenvolver a linguagem oral.
- Surdez severa/profunda: perda auditiva acima de 71 dB. A pessoa terá dificuldades para desenvolver a linguagem
oral espontaneamente. Há necessidade do uso de AASI e ou implante coclear, bem como de acompanhamento
especializado. A pessoa com essa surdez, em geral, utiliza naturalmente a Língua de Sinais.
Deficiência física:
Alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função
física, abrangendo, dentre outras condições, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral, membros com
deformidade congênita ou adquiridas, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o
desempenho das funções.
Deficiência Mental:
Caracteriza-se por limitações significativas tanto no funcionamento intelectual como na conduta adaptativa, na forma
expressa em habilidades práticas, sociais e conceituais.
Deficiência Múltipla:
É a associação de duas ou mais deficiências primárias (mental/visual/auditiva/física), com comprometimentos que
acarretam atrasos no desenvolvimento global e na capacidade adaptativa.
Deficiência Visual:
É a perda total ou parcial, congênita ou adquirida, variando de acordo com o nível ou acuidade visual da seguinte forma:
- Cegueira: é a perda total ou o resíduo mínimo de visão que leva a pessoa a necessitar do Sistema Braille como meio de
leitura e escrita.
- Baixa Visão ou Visão Subnormal: é o comprometimento do funcionamento visual de ambos os olhos, mesmo após
tratamento ou correção. A pessoa com baixa visão possui resíduos visuais em grau que lhe permite ler textos impressos
ampliados ou com uso de recursos ópticos especiais.
Surdocegueira:
É uma deficiência singular que apresenta perdas auditivas e visuais concomitantemente em diferentes graus,
necessitando desenvolver diferentes formas de comunicação para que a pessoa surdacega possa interagir com a
sociedade.
Síndrome de Down:
Alteração genética cromossômica do par 21, que traz como conseqüência características físicas marcantes e implicações
tanto para o desenvolvimento fisiológico quanto para a aprendizagem.
3. Tipos de atendimento educacional especializado:
Apoio pedagógico especializado
Atendimento educacional especializado, realizado preferencialmente na rede regular de ensino, ou, extraordinariamente,
em centros especializados para viabilizar o acesso e permanência, com qualidade, dos alunos com necessidades
educacionais especiais na escola. Constitui-se de atividades e recursos como: Ensino e interpretação de Libras, sistema
Braille, comunicação alternativa, tecnologias assistivas, educação física adaptada, enriquecimento e aprofundamento
curricular, oficinas pedagógicas, entre outros.
Atendimento pedagógico domiciliar:
Alternativa de atendimento educacional especializado, ministrado a alunos com necessidades educacionais especiais
temporárias ou permanentes, em razão de tratamento de saúde, que implique permanência prolongada em domicílio e
impossibilite-os de freqüentar a escola.
Classe hospitalar:
Alternativa de atendimento educacional especializado, ministrado a alunos com necessidades educacionais especiais
temporárias ou permanentes, em razão de tratamento de saúde, que implique prolongada internação hospitalar e
impossibilite-os de freqüentar a escola.
Estimulação precoce:
Atendimento educacional especializado a crianças com necessidades educacionais especiais do nascimento até os três
anos de idade, caracterizado pelo emprego de estratégias de estimulação para o desenvolvimento físico, sensórioperceptivo,
motor, sócio-afetivo, cognitivo e da linguagem.
Portal MEC -

Nenhum comentário:

Postar um comentário