Google+ seguidores

Deficiência Visual/ Educação precoce e o processo de inclusão

Educação precoce e o processo de inclusão
A criança, antes de tomar consciência de si, necessita do outro. É na relação e interação
com as pessoas de sua família, com educadores, meninos e meninas na escola e com o mundo
que a cerca que ela desenvolve suas possibilidades e se estrutura como pessoa.
A interação social depende da forma como a criança é recebida, acolhida, observada,
ouvida e compreendida em suas necessidades. Essa forma de relação e comunicação influencia
o desenvolvimento psicoafetivo e determina a maneira como a criança vai interagir com as
pessoas, objetos e o meio em que vive.
As crianças com deficiência visual necessitam, nos primeiros anos de vida, encontrar pessoas
desejosas de interagir e se comunicar com ela. Os pais, educadores e cuidadores devem estar
atentos às manifestações de intenção comunicativa ou pequenos gestos aos quais devem
interpretar e reagir responsavelmente mediante o toque e a confirmação verbal (Bruno, 1992).
Os professores da creche e pré-escola podem aprender com os pais os meios que
encontraram e quais os códigos que estabeleceram para se comunicar com suas crianças.
Os pais, geralmente, são bons conhecedores de seus filhos, compreendem suas necessidades,
seus desejos e interesses. Sabem sobre as brincadeiras, objetos e situações que lhes
proporcionam alegria, satisfação e desprazer.
O diálogo contínuo e a participação da família no projeto educacional são fatores
preponderantes para o atendimento às necessidades específicas e o sucesso na inclusão das
crianças com deficiência visual em creches e pré-escolas.
Quando uma criança deficiente visual chega pela primeira vez a um centro de educação
infantil, a comunidade escolar sente-se insegura quanto às atitudes adequadas e positivas
frente à deficiência visual. É importante que os profissionais que trabalham na escola e os
professores levem em conta que inclusão significa também postura e atitude positiva na
interação com essas crianças.
Atitudes positivas
• A criança com deficiência visual deve ser tratada com naturalidade, com a mesma
cordialidade e atenção dispensada às outras crianças.
• Ela não precisa de piedade ou atenção especial, mas de oportunidade para
desenvolver suas possibilidades e talentos. Pode necessitar de mais tempo para agir
e interagir com o meio e as pessoas.
• Deve-se evitar a superproteção, pois a criança precisa de liberdade e espaço para

agir, explorar o ambiente e desenvolver a espontaneidade e autonomia.
• A criança com deficiência visual necessita de limites claros e regras de
comportamento como qualquer outra criança.
• As inadequações de comportamento, birras e agressividade não devem ser
justificadas pela ausência da visão.
• Na comunicação, fale de frente para que a criança possa olhar para quem esteja
falando com ela. Em grupo, fale seu nome quando se referir a ela, pois não pode
perceber a comunicação visual. Pode-se utilizar naturalmente palavras e termos como
ver, olhar e perceber.
• As crianças cegas ou com baixa visão podem apresentar ansiedade, insegurança e
tensão diante de situações novas e pessoas desconhecidas. Podem também se
desorientar em ambientes ruidosos.
• É importante que a criança visite a escola, conheça a professora, seu nome, sua voz;
de forma semelhante, conheça os colegas, seja apresentada a todos, possa tocá-los
para poder conhecê-los fisicamente.
• Explorar e vivenciar todos os espaços da escola: corredores, sala, banheiro, bebedouro,
pátio, área de lazer, espaços, e pessoas a quem possa recorrer quando necessário.
• Nas mudanças de ambiente ou ausência de pessoas que estão com a criança, ela
precisa ser avisada com antecedência para poder antecipar a mudança ou separação
das pessoas.
• As crianças com deficiência visual podem apresentar dificuldade na percepção do
meio, orientação e locomoção no espaço, mas podem aprender a se locomover com
independência e autonomia, se forem incentivadas para tal.
• Em virtude da dificuldade de controle do ambiente, ela pode desmotivar-se na busca
de brinquedos. Encorage-a com pistas sonoras ou táteis para continuar na busca
dos objetos ou persistir na brincadeira.
• Ao apresentar uma pessoa ou objeto à criança com baixa visão, aproxime-se dela à
altura dos olhos para que ela possa identificá-lo. Os objetos devem ser apresentados
à criança que não enxerga, no dorso da mão, permitindo que ela possa aceitar ou
rejeitar o que está sendo tocado.
• Evite acidentes. Ao dar um copo, alimento ou qualquer objeto, avise-a, tome sua
mão e coloque o objeto na palma em forma de concha.
• Não há necessidade de planejar atividades específicas só para ela, podendo incluí-la
em todas as atividades desenvolvidas com as outras crianças, com pequenos ajustes
e adaptações.
• Inclusão significa poder participar ativamente de todas as atividades com as outras
crianças, em grupo.
A educação de crianças em creche é fato recente na realidade educacional brasileira,
principalmente no que diz respeito a um currículo que vai além da função social. A educação
infantil tem se tornado espaço e tempo de formação humana, de aquisição de experiências
significativas, construção da identidade, do conhecimento e participação na vida cultural da
comunidade.
Bondioli (1998), em defesa da educação precoce, afirma que as crianças têm o direito,
antes de tudo, de viverem experiências prazerosas. Assim, a inclusão de crianças com
deficiência visual em programas pedagógicos, o mais cedo possível, possibilitará, além da

optimização do potencial de desenvolvimento e aprendizagem, a participação em espaço
lúdico coletivo e a vivência de um mundo de alegria, arte e cultura.

Fonte: DIFICULDADES DE COMUNICAÇÃO E SINALIZAÇÃO • DEFICIÊNCIA VISUAL
MEC/2006-DF

Nenhum comentário:

Postar um comentário